Drug War Chronicle

comprehensive coverage of the War on Drugs since 1997

Europa: Gran Bretaña Va Detrás de Proveedores de Marihuana Medicinal

En dos juicios diferentes, uno que empieza esta semana y uno que va a empezar la próxima semana, las autoridades británicas están procesando a los proveedores de marihuana medicinal de acuerdo con las leyes de drogas del país, informó el Guardian. El proceso continuo de proveedores de marihuana medicinal ocurre a pesar del rebajamiento de la marihuana realizado por el gobierno de droga de Clase B para la Clase C menos seria en 2004.

Cuatro miembros de la Therapeutic Help from Cannabis for Multiple Sclerosis (THCforMS) se enfrentan a acusaciones de conspiración para distribuir marihuana esta semana en la corte real de Carlisle. La THCforMS ofrece cannabis gratuito exclusivamente a pacientes de EM y dice en su página web que ha entregado 33.000 tabletas de chocolate a pacientes.

La próxima semana, el fundador de Bud Buddies, Jeffrey Ditchfield, va a juicio en la corte real de Mold por nueve acusaciones de cultivo y distribución de cannabis. La Bud Buddies ofrece una serie de preparos de marihuana para cualquier persona con necesidad medicinal y requiere la documentación de esa necesidad de un médico.

Según la actual ley británica sobre la marihuana, todos los reos mencionados pueden recibir hasta 14 años de prisión.

Mientras tanto, la vida se ha puesto más difícil para hasta 30% de los pacientes británicos de EM que usan la hierba para aliviar los dolores y espasmos asociados con la enfermedad. Una de esas pacientes, que pidió para no ser identificada, dijo que ella había postulado para usar el extracto de marihuana Sativex en un teste, pero fue rehusada. La preparación está llevando a cabo actualmente un teste de tres años. "Yo creo inconcebible que la corona vea estos procesos como si fueran de interés público cuando aún no hay forma legal de obtener y consumir marihuana para las personas que son ayudadas por el cannabis", dijo.

La Asociación Británica de Medicina dijo en un informe de 1997: "Aunque la pesquisa esté ocurriendo, la policía, los tribunales y la procuraduría deberían tener ciencia de los motivos medicinales para el consumo ilegal de cannabis por aquellos que padecen de ciertas dolencias para las cuales las otras drogas han probado ser ineficaces".

Aun si los procuradores de la corona no entienden, algunos tribunales sí lo entienden - o por lo menos entendían. Hasta el año pasado, los pacientes y proveedores de marihuana medicinal planteaban con éxito la defensa de "necesidad", que permite acciones ilegales para impedir un daño más grande. Pero un tribunal de apelaciones decidió el año pasado que la defensa de "necesidad" sí se aplicaba al uso de marihuana para aliviar el dolor crónico.

Condenación: Proyecto para Estudiar Registro de Infractores Habituales de la Legislación Antidroga Es Presentado en Maine

Primero, eran los infractores sexuales. Entonces, eran los preparadores de metanfetamina. Ahora, un proyecto presentado en el Senado de Maine prepararía el terreno para lo que sería el primer registro de infractores habituales de la legislación antidroga del país. Aunque los defensores de dicha marcación duradera de las personas que han completado sus sentencias de prisión citen la seguridad pública, los opositores dicen que los registros estigmatizan injustamente las personas que han pagado su deuda con la sociedad.

http://stopthedrugwar.org/files/methregistry.gif
¿prevención a las drogas o propaganda del traficante de drogas?
Los registros son especialmente polémicos ahora en Maine. En Abril, dos ex infractores sexuales que vivían en el estado fueron asesinados por un canadiense que aparentemente obtuvo sus direcciones del registro de infractores sexuales del estado.

Presentado el martes por el Sen. Bill Diamond (D-Comarca de Cumberland), la "Ley para Estudiar un Registro de Infractores Habituales de la Legislación Antidroga de Maine" [Act to Study a Maine Habitual Drug Offender Registry] ordenaría que el Comité de Justicia Criminal y Seguridad Pública de la legislatura estudiara la creación de un registro de personas acusadas varias veces de infracciones de tráfico de drogas. En comentarios publicados, Drummond, que es copresidente del comité, retrató la medida como una que ayuda a las familias a proteger a los niños.

"El abuso químico y la criminalidad que perpetra están en alza en Maine. Mi intención es dar pasos deliberados para examinar cualquier y toda manera por la cual este aumento pueda ser combatido", dijo el Sen. Diamond en una declaración de prensa. "Esta legislación es un primer paso hacia una herramienta que las familias de Maine puedan usar para mantener sus comunidades y niños seguros de las drogas y los crímenes relacionados con las drogas".

Los arrestos por drogas están en alza en Maine, junto con un aumento total en el índice de criminalidad, y los funcionarios públicos estaban ansiosos por culpar el uso y ventas de drogas. "2005 fue el año más mortífero en Maine por sobredosis de drogas y una serie de robos a bancos, farmacias y tiendas de conveniencia fue fomentada por la demanda de dinero para alimentar los vicios crecientes en drogas", dijo el Comisionado de Seguridad Pública, Michael Cantara, en el lanzamiento de datos sobre criminalidad y aprehensión de drogas tras una grande redada de cocaína la semana pasada.

"Los ciudadanos de Maine no se quedarán de brazos cruzados mientras estas drogas siguen llegando a nuestro estado y corrompiendo nuestros niños. Necesitamos hacer todos los esfuerzos, investigar todas las maneras, para combatir las drogas en nuestro estado. 'Una Ley para Estudiar un Registro de Infractores Habituales de la Legislación Antidroga de Maine' es apenas una manera que puede terminar haciendo la diferencia en devolver la seguridad a nuestras calles", dijo Diamond.

Pero la opción tiene sus críticos. "Establecer una lista de páginas amarillas para traficantes de drogas condenados no me parece una buena idea", dijo Shenna Bellows, directora ejecutiva de la Maine Civil Liberties Union al Portland Press-Herald. "Un uso mejor de los dólares del contribuyente sería financiar la concienciación pública para mantener los niños lejos de las drogas y la rehabilitación para impedir que los usuarios se conviertan en traficantes".

El concepto del registro también ha sido criticado bajo fundamentos morales y religiosos. Frank Macchia, pastor en la Asamblea de Dios, criticó la cuestión general de registros de infractores en un artículo el mes pasado en la revista de pensamiento ecuménico Vital Theology, criticando a los registros de infractores sexuales como maneras de estigmatizar y humillar, en vez de aumentar la seguridad pública. En vez de buscar humillar a los pecadores, escribió Macchia, "Como gente de Dios, deberíamos no apenas buscar prestar testigo a Cristo y a la gracia redentora que Cristo canaliza hacia nosotros, sino también funcionar en la arena pública como sal de la tierra".

Entonces, hay preguntas que no fueron contestadas: ¿Un registro así resultaría proveyendo propaganda a infractores reincidentes que buscan más clientela, por lo tanto derrotando su propósito? (Ellos lo están llamando de registro de infractores "habituales" de la legislación antidroga, al fin, el grupo de personas que estadísticamente tiene más probabilidad de reincidir.) ¿Y quién va a recibir el contrato por las Ds Escarlatas?

Imposición de la Ley: Las Historias de Policías Corruptos de Esta Semana

Un ex sargento de la Policía Estadual de Massachusetts va a la prisión, un ex detective de Milwaukee acepta el acuerdo, un sheriff-adjunto de Virginia es preso y también agentes penales aspirantes a traficantes de drogas. Más otra semana en la guerra a las drogas. Vamos a ello:

En Norfolk, Massachusetts, un ex sargento de la Policía Estadual de Massachusetts fue sentenciado a 15 años de prisión el 12 de Julio tras confesarse culpable de una acusación de traficar más de 200 gramos de cocaína y una acusación de hurto de más de $250. El Sargento Timothy White, que había trabajado en la Unidad de Inspección de Narcóticos de los barracones de la Policía Estadual de Framingham, había estado robando cocaína de la unidad para vender y consumir. White cayó en 2002, cuando él agredió a su ahora ex esposa en medio a una farra con cocaína y sus problemas apenas se profundizaron cuando la policía allanó su casa en 2003 y encontró treinta gramos de cocaína desaparecida allí. Él ya ha sido condenado a dos años y medio por la agresión.

En la Comarca de Greensville, Virginia, un sheriff-adjunto de la Comarca de Greensville fue incriminado el 12 de Julio bajo acusaciones federales de tráfico de drogas. El Adjunto Timothy Williams, 35, es acusado de conspirar para distribuir piedra y polvo de cocaína y marihuana. De acuerdo con la incriminación, Williams usaba su cargo para confiscar drogas de traficantes y de ahí las entregaba a sus cómplices para ser revendidas en las calles. Él también es acusado de extorsionar dinero de traficantes de drogas por amenazar arrestarlos si ellos no pagasen.

En Milwaukee, un ex detective de la Policía de Milwaukee estuvo de acuerdo en confesarse culpable el 12 de Julio de acusaciones federales de distribución de cocaína, informó el Milwaukee Journal-Sentinel. El ex Detective Larry White, 35, fue acusado de transportar drogas de Illinois a Wisconsin para su cuñado en diversas ocasiones. De acuerdo con un oficio del FBI en el caso, White ganaba $1.000 por viaje. Ahora, él puede recibir una sentencia mínima obligatoria de cinco años de prisión.

En Kershaw, Carolina del Sur, un agente penal de la Comarca de Lancaster fue acusado de aceptar lo que él creía ser éxtasis de agentes encubiertos para introducirla en la prisión, anunció la División de Represión Legal del Estado de Carolina del Sur en un comunicado de prensa de 12 de Julio. Joseph Sanders, 29, fue arrestado la noche anterior y acusado de improbidad en el cargo, conspiración para tener y distribuir sustancias controladas e intentar proporcionar contrabando a un prisionero. De acuerdo con la orden de detención, Sanders aceptó la droga falsa del agente de la SLED de intención de contrabandearla para dentro de la prisión.

En Chambersburg, Pensilvania, un agente de la Prisión de la Comarca de Franklin fue arrestado el 07 de Julio en un montaje de la policía estadual que visaba impedir la entrega ilegal de Oxycontin a internos, de acuerdo con el Cumberland Sentinel. El guardia anónimo se enfrenta a acusaciones de tentativa de obtener la medicación para venta en la prisión, pero esas acusaciones aún tienen que ser abiertas.

Reportaje: Vancouver Lucha para Salvar Su Pionero Local de Inyección Segura

El InSite, el local de inyección segura para usuarios de drogas en el Downtown Eastside de Vancouver, ha sido conocido por reducir el uso público de drogas, las muertes por sobredosis y la diseminación de enfermedades transmisibles por la sangre, pero el gobierno conservador del Primer Ministro Steven Harper es ideológicamente hostil. Ahora, con el InSite amenazado de cierre si el Ministerio de la Salud de Canadá no aprueba una solicitación de extensión de su exención de las leyes canadienses de drogas, Vancouver está movilizándose para salvarlo.

http://stopthedrugwar.org/files/insitebrochure.jpg
folleto de InSite
La Vancouver Coastal Health Authority, que supervisa el estudio, postuló a una extensión hace varios meses, pero el Ministerio de la Salud de Canadá no ha actuado hasta ahora, dijo la vocera Viviana Zanocco a DRCNet. Durante su campaña el otoño pasado, Harper dijo que él se oponía a gastar dinero federal para ayudar a la gente a usar drogas, como dice, y el mes pasado él dijo que “no estaba comprometido” con la renovación de la exención, pero examinaría la pesquisa.

Si Harper y el Ministerio de la Salud permiten realmente que los resultados de la pesquisa hasta ahora guíen sus decisiones, el proseguimiento del InSite sería un acierto. De acuerdo con la pesquisa y evaluación publicadas y revisadas por los pares por el BC Center for Excellence in HIV/AIDS, una organización altamente respetada en la observación del estudio, el local de inyección segura:

  • ha llevado a un aumento en el ingreso a programas de desintoxicación y tratamiento de la adicción;
  • no ha llevado a un aumento en la criminalidad relacionada con las drogas;
  • ha reducido el número de personas que inyectan en público y la cantidad de restos relacionados con la inyección en el Downtown Eastside;
  • está atrayendo a usuarios de riesgo más alto - aquellos más vulnerables a infección de VIH y sobredosis y que estaban contribuyendo con problemas de uso de drogas en público y eliminación insegura de jeringas;
  • ha reducido los índices totales de partilla de jeringas en la comunidad, y entre aquellos que usaron el local de inyección segura en algunas, la mayoría o todas sus inyecciones, 70% tenían menos probabilidad de informar partilla de jeringas;
  • no está aumentando los índices de recaída entre los ex usuarios de drogas ni es una influencia negativa sobre aquellos que buscan parar de usar drogas.

El InSite también hizo más de 2.000 internaciones en un año, con casi 40% de ellas para asesoramiento a la adicción. También ha cortado el número de muertes por sobredosis de drogas, Más de 500 sobredosis ocurrieron en el lugar durante un período de dos años, pero en razón del personal médico a mano, ninguna resultó en muerte. Como observa el Insite, "Si estas sobredosis ocurrieran en la calle, muchas de estas personas podían haber muerto".

Pero Vancouver y sus habitantes no están seguros si Harper será realmente guiado por la ciencia en vez de sus predisposiciones ideológicas y están movilizándose para asegurar que él comprenda que la ciudad quiere que el InSite siga. "La propia comunidad decidió que necesitamos decirle al nuevo primer ministro y al gobierno federal cómo el InSite es importante para nuestra comunidad, entonces empezamos una campaña ciudadana llamada InSite For a Safer Community, dijo Gillian Maxwell, vocera de la coalición. "Vamos a plantear la cuestión de que el InSite vuelve la comunidad más segura, salva vidas y ayuda a la gente a tener acceso a los servicios de salud. Quitarlo sería algo muy perjudicial", dijo ella a DRCNet. "El InSite es, claro, bueno para las personas que lo usan, pero es bueno para la comunidad también, y mejora nuestra calidad de vida".

La coalición está jugando por las buenas ahora, dijo Maxwell, pero eso puede cambiar. "No queremos que el gobierno sienta que está siendo acorralado o presionado. En vez de eso, estamos pidiendo que preste atención al nivel de apoyo en la comunidad". Para ese fin, la coalición ha organizado una campaña de correspondencia en su página web en que los ciudadanos de Vancouver pueden escribirle directamente al primer ministro. También está colectando cartas de apoyo de los miembros importantes de la comunidad.

El grupo también realizó una exhibición visual y conferencia de prensa en una ladera de Vancouver el jueves, con el número de muertes por sobredosis impedidas por el InSite representado por hileras de cruces. Los organizadores plantearon la cuestión para la prensa de que "estas personas están vivas hoy día a causa del InSite, y si se cierra el local, centenas pueden morirse".

Mientras tanto, la Vancouver Area Network of Drug Users (VANDU) está pidiendo no sólo la continuación de InSite, sino su expansión. "Detener al InSite hora es como tener tu cuerpo lleno de hematomas y poder ponerle crema en una parte de un brazo y se cura completamente, pero no dejar que ella sea aplicada en el resto de su cuerpo", dijo la vocera de la VANDU, Anne Livingstone. "La idea de no extender la exención es una chorrada; los estudios muestran que está funcionando. Pero éste es un estudio, no un programa. Si tuviéramos un programa, habría cuatro o cinco o seis de estos locales. Hay 15.000 inyecciones de drogas en el Downtown Eastside todos los días y el InSite puede tratar apenas de 600 de ellos".

La ciudad de Vancouver quiere mucho el proseguimiento del estudio, dijo el Coordinador de Políticas de Drogas, Donald McPherson. "El alcalde ha sido muy claro sobre esto", dijo a DRCNet. "Él le ha escrito al primer ministro señalando que las pruebas hasta ahora muestran que ésta es una intervención muy exitosa y que necesitamos hacer más pesquisa para examinar los impactos de largo plazo que está teniendo sobre cosas como los índices de VIH/SIDA y Hepatitis C".

En esa carta, el Alcalde Sam Sullivan escribió: "Hasta hoy día, los hallazgos de pesquisa impresionantes que han sido publicados demuestran que este proyecto no apenas da una oportunidad importante de generar conocimiento, también parece ser un factor protectivo importante en las vidas de aquellos individuos que usan la instalación".

La ciudad está involucrada activamente en el proseguimiento de la exención, dijo McPherson. "Somos parte de la coalición que está intentando hacer con que siga. Ésta no es una cuestión polémica en Vancouver. La comunidad de los negocios la apoya, la comunidad china vecina la apoya, tenemos un nivel de apoyo a esto en la comunidad como nunca antes", dijo. "Sería muy triste y nocivo si InSite fuera discontinuado en este momento después de los resultados que ha logrado y todo el trabajo que la gente puso en ello".

La Congresista del Nuevo Partido Democrático, Libby Davies , que representa al Downtown Eastside, también está a bordo. La semana pasada, ella se juntó a la campaña de correspondencia con un mensaje electrónico ampliamente circulado. "Tengo muchos contactos por todo el país", dijo a DRCNet. "La gente apoya mucho al InSite. Estoy trabajando con mis contactos y con la gente en la comunidad para incentivar a la gente a manifestar su apoyo. Hay muchos correos electrónicos yendo al Ministro de la Salud ahora".

El InSite también está recibiendo el apoyo de Australia, donde un local de inyección segura en Sydney ha producido resultados positivos similares. El lunes, el Grupo Parlamentario Australiano para la Reforma de la Legislación Sobre las Drogas de 110 miembros envió una carta a Harper pidiéndole que no cerrara el local.

"El InSite ha salvado vidas y transformado la respuesta a los usuarios de drogas en servicios sociales y de salud", dijo la carta. "Nuestra pesquisa también ha mostrado los beneficios del centro de inyección, no apenas en la salvación de vidas, sino también en proveer un camino para la recuperación".

Davies dijo que esperaba que la campaña pudiera convencer al gobierno federal que estaría en contra de una comunidad unida si detuviera al local de inyección segura. "Espero que ellos no quieran hacer un gran alboroto con esto. Espero que Harper y el Ministro de la Salud, Clement, sean pragmáticos a pesar de su oposición ideológica a ello, pero si ellos intentan negarlo, habrá una reacción muy fuerte. Ellos no han visto nada todavía", advirtió.

Gillian Maxwell no confía en el gobierno Harper para hacer lo que es correcto. "Estamos un poco nerviosos", dijo ella. "El hecho de que estemos haciendo esta campaña muestra eso. La Agencia Costera de Salud de Vancouver pidió la extensión en la primavera y ya es Julio. No podemos decir cuáles son las posibilidades, pero no estamos completamente convencidos de que eso pasará porque todavía no ha pasado".

Livingstone de la VANDU se preguntaba si el gobierno Harper simplemente lo retrasaría. "Temo que ellos no digan ni sí ni no, sino que lo renueven mensualmente y lo dejen esperando en el limbo", dijo. "Si dicen no, habrá una fuerte campaña preparada".

Esa campaña puede incluir a locales de inyección de guerrilla como el que VANDU estableció a principios de esta década para aguijonear el local sancionado oficialmente a abrir de veras. "He estado buscando otra tienda o quizá un remolque. Si hacemos otra operación de guerrilla, eso lo mantiene en la pauta pública. Yo creo que si se quiere un local de inyección donde sea, que sea abierto. Me gustaría que las iglesias se involucraran, como hicieron en Europa y Australia, porque éste no es un movimiento político, se trata de la gente que se está muriendo.

Reportaje: ¿Qué Haría Jesús? Las Comunidades Religiosas Como Aliadas de la Reforma de las Políticas de Drogas

Por cualquier medida, los Estados Unidos son un país altamente religioso. Más estadounidenses afirman creer en Dios y frecuentar misa regularmente que en cualquier otra democracia industrial occidental y las afirmaciones con base en la religión llevan grande peso en la política estadounidense. Pero el movimiento pro reforma de las políticas de drogas, gran parte de ello secular y no relacionado con las prácticas religiosas tradicionales, ha empezado a hacer incursiones serias con estos grupos poderosos.

Una organización de reforma de las políticas de drogas, la Interfaith Drug Policy Initiative (IDPI), está trabajando específicamente para asegurar que ese apoyo con base en la fe a la reforma de las políticas de drogas siga creciendo. “Por ende, la gente toma sus decisiones con base en sus valores y la vasta mayoría de las personas en los EE.UU. recibe sus valores de la religión”, dijo el director ejecutivo de la IDPI, Charles Thomas. “Si queremos cambiar fundamentalmente las políticas de drogas de nuestro país, necesitamos ser capaces de cambiar la manera que las personas ven las drogas y las políticas de drogas y la mejor manera de hacer eso es a través de la religión organizada”.

http://stopthedrugwar.org/files/chuckidpi.jpg
rueda de prensa con Thomas y los Dips. Federales de los EE.UU. Maxine Waters y John Conyers
Muchas denominaciones ya han adoptado posiciones progresistas en la reforma de las políticas de drogas, observó Thomas. "La mayor parte de las grandes denominaciones ya apoyan a una variedad de medidas de reforma de las políticas de drogas. Es importante que el Congreso y las legislaturas estaduales tengan ciencia de aquellas posiciones y sepan que sus denominaciones apoyan a cosas como la marihuana medicinal y la revocación de las sentencias mínimas obligatorias. También es importante que las personas que pertenecen a aquellas denominaciones tengan ciencia de sus posiciones. La gente no debería suponer que su iglesia se opone a la reforma de las políticas de drogas, porque a menudo eso no pasa".

De hecho. En verdad, muchos reformadores de las políticas de drogas y frecuentadores de la iglesia quedarían sorprendidos por las posiciones progresistas de la religión organizada en las políticas de drogas. Sobre la cuestión de la marihuana medicinal, por ejemplo, la Iglesia Metodista Unida, la Iglesia Presbiteriana (EE.UU.), la Directoria Metodista Unida de Iglesia y Sociedad, la Iglesia Episcopal, la Asociación Universalista Unitaria, la Unión por el Judaísmo de Reforma, la Iglesia Unida de Cristo y la Convención Nacional Baptista Progresista han todas aprobado resoluciones favorables.

Cuando se trata de revocar las sentencias mínimas obligatorias, las denominaciones y los cuerpos religiosos susodichos son sumados por la Conferencia de Obispos Católicos de los EE.UU., el Consejo Nacional de Iglesias, las Pastorales Carcelarias, la Iglesia Evangélica Luterana en los Estados Unidos, la Convención Nacional Baptista Progresista, la Convención Nacional Baptista de EE.UU., la Convención Nacional Baptista de América, la Convención Nacional Misionaria Baptista, la Iglesia de los Testigos de Jehová y las Iglesias Baptistas Americanas en los EE.UU.

Otra cuestión de la reforma de las políticas de drogas, la revocación de la infame "disposición antidroga" de la Ley de Enseñanza Superior [Higher Education Act], esfuerzos coordinados por la Coalition for Higher Education Act Reform auspiciada por DRCNet, también ha recibido los endosos de una serie de grupos de la fe, incluyendo a la Comisión de Acción Social del Judaísmo de Reforma, la Directoria General de Iglesia y Sociedad de la Iglesia Metodista Unida, la Iglesia de los Testigos de Jehová, la Iglesia de las Mujeres Unidas, la Iglesia Evangélica Luterana en los Estados Unidos, la Sociedad de la Reconciliación, el Comité de Amigos Sobre la Legislación Nacional, God Bless the World, el Consejo Nacional de las Iglesias de Cristo en los EE.UU., la Alianza Judía Progresista, la Convención Nacional Baptista Progresista, la Iglesia Presbiteriana (EE.UU.), la Asociación Universalista Unitaria de Congregaciones, la Iglesia Unida de Cristo y la Alianza de las Mujeres por la Teología, la Ética y el Ritual.

Aunque las iglesias evangélicas sean vistas típicamente como profundamente conservadoras y hostiles a la reforma de las políticas de drogas, ni siempre pasa eso. El ex criminal de Watergate de la era Nixon, Charles Colson, dirige las Pastorales Carcelarias, que apoyan a la reforma de la condenación. Y la IDPI informa que mantiene contacto con una organización nacional de iglesias evangélicas.

Con todo el apoyo en potencial por detrás de las paredes de la iglesia, los reformadores de las políticas de drogas son descuidados si no hacen la conexión con sus hermanos espirituales, dijo Thomas. "Trabajar con y movilizar las organizaciones religiosas es un componente esencial del avance en la reforma de las políticas de drogas", debatió. Aun la gente que no es religiosa puede hacer eso, dijo. "Casi todos tienen amigos y familiares que son miembros de una congregación. Pregúnteles si ellos tienen ciencia de la posición de su iglesia. Si ellos se oponen a la marihuana medicinal porque es mala, muéstrenles lo que su denominación les dice sobre eso. Si ya están de acuerdo, pídanles que lo encuadren en lenguaje moral. Pasa lo mismo con los pastores y sacerdotes", señaló Thomas. "A veces, es necesario concienciarlos sobre la posición de su propia denominación, pero así que se hizo eso, pídanles que firmen una carta para concienciar a la congregación y al público".

La IDPI no se está aprovechando meramente de posiciones favorables tomadas por las denominaciones, está ayudando a instigarlas a tomar esas posiciones. El mes pasado, gracias al esfuerzo sólido de la IDPI y de una fuerte preocupación de base dentro de la iglesia, los presbiterianos se volvieron la última denominación a salir en pro de la marihuana medicinal. Por su vez, eso llevó a un artículo en BeliefNet, con una encuesta electrónica acompañante mostrando 70% de apoyo a la legalización y 92% de apoyo a la marihuana medicinal. Similarmente, el incentivo de la IDPI ayudó a presionar la Conferencia Católica del Estado de Nueva York a incluir la reforma de la ley Rockefeller sobre las drogas en su lista de prioridades de la justicia criminal.

Ahora, los activistas están aprendiendo la lección aprendida por la IDPI y aplicándola en los estados. Bien en el corazón del país, los reformadores de las políticas de drogas están buscando construir alianzas con las comunidades de la fe. En Kansas, por ejemplo, el Drug Policy Forum of Kansas (DPFKS) y la naciente Kansas Compassionate Care Coalition están preparando el terreno para un proyecto de marihuana medicinal el próximo año.

"Hemos conseguido información sobre todas las denominaciones religiosas aquí en Kansas que tienen posiciones favorables con relación a la marihuana medicinal e información demográfica sobre las congregaciones en ciudades o comarcas", dijo Laura Green del Forum. "Estamos contactando a las comunidades de la fe. Hemos identificado a diputados que se oponen a nosotros en la marihuana medicinal y vamos a entrar en los distritos e intentar hacer con que el clero firme nuestra declaración de principios, para que podamos llevarlo al diputado", dijo ella a DRCNet.

¿Por qué ir detrás de las iglesias? Es sencillo, dijo Green. "Las iglesias están metidas en todo y algunas de las congregaciones son muy grandes y poderosas. Las iglesias aquí se han quedado fuera de las políticas de drogas, pero logramos hacerlas apoyar un proyecto que permite que los condenados tengan acceso a los servicios así que salgan, y por eso fue aprobado".

En otros lugares, los activistas inspirados religiosamente de numerosas denominaciones están juntando esfuerzos para hacer presión por un cambio humano y progresista. "La reforma de las políticas de drogas es una de las tres cuestiones de justicia en que estamos concentrados", dijo el Rev. Peter Laarman, director ejecutivo de Progressive Christians Uniting, una organización de la fe sedeada en Baja California. "Francamente, nuestras bases son blancas y suburbanas en su mayoría, pero nuestra gente tiene un sentido del desperdicio de vidas humanas y recursos presupuestarios que es encarcelar a las personas con problemas de adicción. Hace algunos años, hicimos una conferencia de alta visibilidad sobre la guerra a las drogas y eso motivó a la gente", dijo él a DRCNet. "Después de eso, hicimos un currículo sobre la reforma progresista de las políticas de drogas en asentamientos congregacionales, contratamos algunas personas y creamos un comité de ciudadanos para apoyar a la Proposición 36", la ley de "tratamiento en vez de cárcel" de California.

En verdad, la Progressive Christians Uniting estaba en los noticieros hace dos semanas, cuando condujo una conferencia de prensa para instar al Gob. Schwarzenegger (R) a vetar cambios legislativos en la ley que pervertían su intención original. "Cambiar una iniciativa electoral aprobada por los votantes no es apenas inconstitucional", dijo Laarman, "sino moralmente inconcebible. La ley está salvando vidas y reparando familias con éxito".

Naturalmente lo bastante, la Progressive Christians Uniting saca su inspiración de las creencias religiosas de sus miembros. "La Biblia y los testigos de Jesús dicen que pertenecemos los unos a los otros y nos identificamos con aquellos más expuestos a la injusticia", explicó Laarman. "Los primeros cristianos eran presos frecuentemente, entonces nos identificamos fuertemente con la gente presa injustamente. Necesitamos una alternativa humana y ética al encarcelamiento en masa. Muchas personas creen que los adictos son personas caídas y pecadoras que necesitan ser castigadas, pero nosotros creemos que la adicción ya es un castigo suficiente y necesitamos mostrar a las personas una salida. Para nosotros, la reducción de daños es una respuesta muy cristiana".

"Trabajar con las iglesias no es apenas justo, es listo", dijo Troy Dayton de la IDPI. "Cuando una denominación toma una posición favorable en una cuestión de la reforma de las políticas de drogas, recibe mucha atención de los medios, lo que por su vez atrae los medios para examinar otras posiciones de las denominaciones. Y cuando las iglesias dicen algo, la gente escucha. La manera que prendemos números masivos de personas, por ejemplo, es una cuestión moral y religiosa crucial, y las grandes denominaciones ya son casi a favor de la reforma de la condenación".

Hacer con que las grandes denominaciones adhieran e informen a los políticos lo que las iglesias quieren cuando se trata de las políticas de drogas puede ser crítico, dijo Dayton a la DRCNet. "La guerra a las drogas no funciona no importa cuáles sean sus creencias religiosas; es inmoral, y la comunidad de la fe puede realmente dar a los políticos el convencimiento moral para hacer lo que ellos saben que es correcto".

Cuando se trata de descubrir cómo deberíamos tratar de los usuarios de drogas en los Estados Unidos, hay una pregunta simple y altamente adecuada: ¿Qué haría Jesús?

Editorial: ¿Queremos Realmente Ayudar a Nuestros Hijos a Encontrar Traficantes de Drogas?

David Borden, Director Ejecutivo, borden@drcnet.org

http://stopthedrugwar.org/files/bordenoncouch-smaller.jpg
sesión usual de edición de David Borden del jueves por la tarde
Uno de los artículos sobre la guerra a las drogas de esta semana es un esfuerzo legislativo en el estado de Maine para crear un comité para estudiar la posibilidad de un registro, accesible al público en general, de gente que ha sido condenada varias veces por delitos de drogas. Los defensores han retratado la idea como una manera de ayudar a las familias a proteger a sus hijos de personas que puedan querer darles drogas en Maine.

Aun usando la lógica de la guerra a las drogas (que, generalmente, es una mala idea), esta idea fracasa decisivamente. La mayoría de los niños no empieza a usar drogas porque le son ofrecidas por traficantes profesionales. La mayoría de los chicos empieza a usar drogas porque le son ofrecidas por otros chicos - niños que les están ofreciendo por razones sociales o porque se han involucrado en dicha empresa criminosa, pero en cualquiera de los casos no por los adultos varias veces condenados que aparecerían en la página web del estado. También es importante recordar que la mayoría de los traficantes de drogas nunca fue atrapada, por lo tanto, nunca aparecerá en el registro por ese motivo.

Entonces, aunque un registro permita que los padres tengan ciencia de alguna parte de los verdaderos traficantes de drogas que existen, no tendrá en cuenta (y quizá desvíe la atención de) las maneras más comunes a través de las cuales las drogas llegan a las manos de sus hijos. Además, el mismo proceso económico incontenible que vuelve cualquier prisión de un traficante una oportunidad de empleo para nuevos traficantes, también debe aplicarse, por lo menos parcialmente, a cualesquiera traficantes reincidentes que perdieron el negocio porque algunos padres lograron hacer que sus hijos mantuviesen distancia de cualquier traficante - si los niños son determinados o simplemente voluntariosos, terminan consiguiendo sus drogas de otra persona.

Con todo, más resplandeciente es un argumento que fue señalado en una publicación de un blog "de teste" por un miembro de nuestro personal, Scott Morgan, en nuestra página web que será lanzada pronto. Scott usó un registro similar en Tennessee, limitado a infractores por delitos de metanfetamina, para mostrar cuán útil sería (quizá sea) para cualquier joven, en cualquier comarca en el estado, que desee encontrar pistas de gente en su comarca que pueda venderle metanfetamina u otras drogas - un resultado exactamente opuesto a lo que el registro pretende prevenir.

La diferencia principal entre el registro de Tennessee y el registro propuesto de Maine, sin contar que el de Maine incluye todas las drogas ilegales, es que el de Maine está limitado a infractores "habituales" de la legislación antidroga, la gente que ha sido condenada varias veces por tráfico de drogas. Pero, los infractores reincidentes son exactamente las personas que tienen más chances de infringir la ley nuevamente - los listados más útiles para los niños u otros que quieran localizar vendedores de drogas convenientemente restringidos. De cualquier forma, no se puede escapar de la idea de que un registro de infractores de la legislación antidroga es en verdad una campaña publicitaria sufragada por el contribuyente que apoya al tráfico de drogas.

Al fin, debemos regresar a la cuestión de que la principal manera por la cual los jóvenes empiezan a involucrarse en el consumo de drogas es a través de la influencia de los otros chicos - en muchos casos, comprando las drogas de otros chicos, en las escuelas. Éste es uno de los factores que ha llevado a un aumento en la predominancia de armas en las escuelas - adonde va el mercado ilegal, también tienden a ir las armas.

Pero no necesitaba ser así. Aunque el consumo de alcohol por menores de edad sea una cuestión importante (el alcohol es una droga como cualquiera de las otras, y bien destructiva), por lo menos los chicos no lo están comprando de otros chicos, en la escuela, de personas que portan armas. Esa situación existe con las drogas ilegales precisamente porque las hemos prohibido. Con la legalización de las drogas, los problemas criminales asociados con el comercio en drogas desaparecían - nada de tráfico armado de drogas en las escuelas, nada de guerras por territorio o mercados a cielo abierto.

Y aunque el daño del consumo de drogas no desaparezca cuando la prohibición se termine, el puro nivel de destructividad que está asociado actualmente con la adicción en particular también caería considerablemente, ya que los usuarios no estarían más sujetos a las impurezas aleatorias y a las fluctuaciones en la pureza, que actualmente llevan a intoxicaciones y sobredosis; y los precios altos que las drogas callejeras tienen también caerían, permitiendo que muchos, si no la mayoría, de los adictos que son llevados ahora a comportamientos extremados como el robo y la prostitución consigan su dinero para comprar drogas para por lo menos sufragar el vicio a través de medios legales de sustento. Intensificar la política fracasada de la prohibición no logrará esto.

Mientras tanto, por lo menos vamos a mantener la calma con estas ideas desatinadas como registros de infractores de drogas. La estigmatización continua de personas que ya han sido castigadas debe ser motivo suficiente. Pero si no es, la lógica increíblemente débil por detrás de esta idea debe serlo. ¿Queremos realmente ayudar a nuestros hijos a encontrar traficantes de drogas? Yo no quiero.

Marijuana: Michigan Organizers Hand in Signatures for Two Local Ballot Initiatives

Tim Beck of Michigan NORML reported via email Wednesday that two marijuana-related local initiatives had met their deadlines for handing in signatures. One initiative would make marijuana the lowest law enforcement priority, while the other one is a medical marijuana initiative.

In Niles, Southwest Michigan NORML chairman Don Barnes and campaign coordinator Greg Francisco presented the Niles city clerk Tuesday with 596 signatures to place a lowest priority initiative on the ballot. Under the initiative, possession or use of up to 1.1 ounces of marijuana by adults on private property would be the Niles Police Department's lowest law enforcement priority. They need 440 valid signatures to make the ballot. The city of Niles now has one week to announce whether enough valid signatures were turned in.

Also Tuesday, the Flint Coalition for Compassionate Care handed in over 2,000 signatures seeking to put a medical marijuana initiative before the voters there in November. The initiative would create a city ordinance granting medical marijuana users an exemption from the marijuana laws. The coalition needs 1,150 valid signatures and expects to have a yes or no by the end of next week.

Law Enforcement: This Week's Corrupt Cops Stories

Another week, another set of corrupt cops. More problems in Memphis, a former cop in St. Paul gets indicted in a major coke and meth haul, and yet another prison guard gets caught smuggling dope behind the walls.

In Memphis, three police officers have been indicted on charges they ripped off drug dealers and arranged to sell the drugs themselves. Memphis Police Officers Antoine Owens and Alexander Johnson joined with former officer Arthur Sease in setting up drug deals, then swooping in with uniformed officers, detaining the drug dealers, and stealing their drugs, cash, and jewelry. According to WREG-TV in Memphis, police are naming Sease as the ringleader. He faces a 50-count indictment with charges including conspiracy, extortion, possession of a controlled substance, and numerous civil rights violations. Officers Owens and Johnson are charged with two conspiracy counts.

In St. Paul, Minnesota, a retired police officer was indicted on federal drug charges Tuesday, KSTP-TV reported. Former officer Clemmie Howard Tucker, 51, was identified as the man who tried to pick up a suspicious package at a Minneapolis bus depot. That package contained 22 pounds of cocaine and eight pounds of methamphetamine. The 25-year veteran faces one count each of attempting to possess with the intent to distribute cocaine and methamphetamine.

In Richmond, Virginia, a Henrico County sheriff's deputy was charged last Friday with smuggling drugs, cigarettes, cigars, and other contraband into the Henrico County Jail. Deputy Ronald Washington, 23, allegedly made more than $1,000 for his efforts. Washington is charged with felony delivery of a controlled substance to a prisoner and misdemeanor delivery of articles to prisoners, the Richmond Times-Dispatch reported. He is being held without bond at the Pamunkey Regional Jail in Hanover County.

Weekly: This Week in History

August 11, 1991: Following ten months of research, the Pittsburgh Press begins a six-day series on asset forfeiture abuse, chronicling what it calls "a frightening turn in the war on drugs." The Press reveals that seizure and forfeiture have done enormous collateral damage to the innocent.

August 12, 1997: The US Justice Department announces there will be no indictments issued in the killing of Esequiel Hernandez, Jr., an 18-year-old American citizen killed by US Marines on an anti-drug patrol while herding goats near the border town of Redford, Texas. Lt. General Carlton W. Fulford, who conducted an internal military review of the incident, said the killing might not have happened at all had civilian law enforcement agencies been patrolling the border.

August 14, 2002: Twelve hundred medical marijuana patients, many suffering from life-threatening illnesses, lose their supply of medicine when Ontario police raid the Toronto Compassion Centre.

August 15, 1988: In his acceptance speech to the Republican National Convention, George Herbert Walker Bush states, "I want a drug-free America. Tonight, I challenge the young people of our country to shut down the drug dealers around the world... My Administration will be telling the dealers, 'Whatever we have to do, we'll do, but your day is over. You're history.'"

August 16, 1996: While visiting San Francisco, US drug czar Barry McCaffrey claims to media, "There is not a shred of scientific evidence that shows that smoked marijuana is useful or needed. This is not science. This is not medicine. This is a cruel hoax and sounds more like something out of a Cheech and Chong show." Advocates later point out that there is scientific evidence supporting medical marijuana.

August 17, 1999: CNN reports that federal authorities say they are sweeping up the last few indicted members of a major drug trafficking network that shipped tons of mostly Colombian cocaine and marijuana throughout the United States. Nearly 100 suspects have been indicted in "Operation Southwest Express" and 77 have been arrested in raids in 14 cities.

Middle East: Now, Israelis Call for Boycott of Hezbollah Hashish

Israeli drug users have long been happy to puff on Lebanese hashish, but now, as war between the two countries rages, some are calling for a boycott because the cross-border trade helps finance Hezbollah, The Jewish Daily Forward reported Thursday. Hashish is the most popular form of marijuana in Israel, and Lebanon is the number one supplier, according to Israeli law enforcement.

The boycott call came from activist and Jerusalem resident Dan Sieradski, who posted the idea on his Orthodox Anarchist blog. "A Persian-backed terrorist organization is the primary supplier of hashish to the Israeli market today," Sieradski wrote. "And this is why, with a heavy heart, I am officially boycotting hashish, effective immediately."

http://stopthedrugwar.com/files/persiahashish.gif
Persian smoking hashish (from DrugLibrary.org)
Hashish grown in Lebanon's Bekaa Valley has traditionally been smuggled into Israel by Israeli Arabs, Bedouins, and Druze nomads, but the Forward reports that since Israel withdrew from Lebanon in 2000, Hezbollah has taken over the trade -- and the associated profits. "Hezbollah is directly overseeing the entire operation," Police Captain Avi ElGrisi was quoted as saying in The Jerusalem Post. "They say where, when, and how much drugs are brought in."

Sieradski's call has met with mixed results. For some Israeli hash heads, the boycott is a way of expressing their dismay at the war and Hezbollah's relentless rocket attacks on Israel. "The thing is, if you buy your drugs from Lebanon, you could well be funding terrorism through Hezbollah against Israel," one user commented. "Who among us would want that on their conscience? Not me!" Another young boycotter commented: "It's bad enough that they're trying to blow up our country. I'm not going to pay them to do it."

Not everyone is on board. The Forward quoted one Jerusalem area dealer as saying, "It all comes from Hezbollah," but he could care less. His comment on the boycott? "Roll that shit, light that shit, smoke that shit."

The boycott call has also prompted some to argue that it is time to legalize the hash trade in order to weaken Hezbollah. As long as there are illicit profits to be made, it's money in the bank for the Shiite resistance organization, they noted.

The boycott call may also be an expression of the reality on the ground inside Israel. With the Lebanon-Israel border the scene of heavy fighting, it is questionable just how much Lebanese hash is getting through right now.

Semanal: O Calendário do Reformador

Por favor, clique aqui para enviar listas para eventos que digam respeito às políticas de drogas e aos tópicos relacionados

http://stopthedrugwar.org/files/appointmentbook.jpg
De 19 a 20 de Agosto, Seattle, WA, Festival do Cânhamo de Seattle, visite http://www.hempfest.org para maiores informações.

26 de Agosto, 13:00-16:20, Huntington Beach, CA, Marcha Contra a Guerra Fracassada Contra as Drogas, patrocinada por The November Coalition e pela NORML Comarca de Orange. No Cais de Huntington Beach, 315 Pacific Coast Highway, ligue para o (714) 210-6446, e-mail kandice@ocnorml.org ou mark@ocnorml.org ou visite http://www.ocnorml.org para maiores informações.

De 05 a 06 de Agosto, Spokane, WA, Festival do Cânhamo de Spokane, visite http://www.spokanehempfest.com para maiores informações.

De 01 a 04 de Setembro, Manderson, SD, Quinto Festival Anual de Cânhamo de Lakota. No Parque Kiza, a 5km ao norte da cidade, visite http://www.hemphoedown.com para maiores informações.

23 de Setembro, 13:00-16:20, São Clemente, CA, Marcha Contra a Guerra Fracassada Contra as Drogas, patrocinada por The November Coalition e pela NORML Comarca de Orange. No Cais de São Clemente, Avenida do Mar, ligue para o (714) 210-6446, e-mail kandice@ocnorml.org ou mark@ocnorml.org ou visite http://www.ocnorml.org para maiores informações.

De 07 a 08 de Outubro, Madison, WI, 36o Festival Anual da Colheita de Cânhamo do Grande Meio-Oeste, patrocinado pela NORML Madison. No Library Mall, centro, visite http://www.madisonnorml.org para maiores informações.

De 28 a 29 de Outubro, 11:00-19:00, São Francisco, CA, “Segundo Festival Anual das Maravilhas do Cannabis”, festa beneficente para a Cannabis Action Network e a Green Aid, recebida por Ed Rosenthal. No Salão das Flores, parque Golden Gate, entrada individual $20, para maiores de 18 anos, contate Danielle pelo (510) 486-8083 ou cannabisactionnetwork@gmail.com para maiores informações.

De 09 a 12 de Novembro, Oakland, CA, “A Saúde do Usuário de Drogas: A Política e o Pessoal”, 6ª Conferência Nacional de Redução de Danos. Patrocinada pela Harm Reduction Coalition, para maiores informações visite http://www.harmreduction.org/6national/ ou contate Paula Santiago pelo santiago@harmreduction.org.

De 17 a 19 de Novembro, Washington, DC, Conferência Internacional e Oficina de Treinamento do Students for Sensible Drug Policy. Na Faculdade de Direito da Universidade Georgetown, incluindo oradores, sessões de treinamento, um dia de pressão e mais. Maiores informações serão publicadas logo em http://www.ssdp.org.

De 01 a 03 de Fevereiro de 2007, Salt Lake City, UT, “Ciência e Resposta: 2007, A Segunda Conferência Nacional Sobre a Metanfetamina, o HIV e a Hepatite”, patrocinada pelo Harm Reduction Project. No Hilton City Center, visite http://www.methconference.org para maiores informações.

Errata: Kershaw Não Fica Mais em Kershaw

Na semana passada, uma das estórias de “policiais corruptos” que informamos vinha da Comarca de Kershaw, Carolina do Sul, ou achávamos que sim:

Em Kershaw, Carolina do Sul, um agente penitenciário da Comarca de Lancaster foi acusado de aceitar o que ele achava ser êxtase de agentes disfarçados para introduzi-la na prisão, anunciou a Divisão de Repressão Legal do Estado da Carolina do Sul em nota à imprensa no dia 12 de Julho. Joseph Sanders, 29, foi pego na noite anterior e acusado de improbidade no cargo, conspiração para portar e distribuir substâncias controladas e tentar proporcionar contrabando a um prisioneiro. De acordo com a ordem da detenção, Sanders aceitou a droga falsa do agente da SLED de intenção de contrabandeá-la para dentro da prisão.

Um jornalista local que viu o nosso artigo no Google News nos corrigiu. Resulta que embora o suspeito seja de Lancaster - que é parte da Comarca de Lancaster --, o Instituto Correcional de Kershaw onde ele trabalha (e que fica em Kershaw) também é parte da Comarca de Lancaster, portanto, ele era um agente penitenciário da Comarca de Lancaster, não um agente penitenciário da Comarca de Kershaw como o identificamos. A detenção, contudo, aconteceu num estacionamento do Wal-Mart em Camden - parte da Comarca de Kershaw - a própria Kershaw costumava ser parte da Comarca de Kershaw, mas se retirou há décadas e agora é parte da Comarca de Lancaster.

A Crônica da Guerra Contra as Drogas lamenta o erro - mas espera que nos seja perdoado. A história original - correta, nós achamos - pode ser encontrada aqui.

Anúncio: IJPD Procura Artigos Sobre Mulheres e Redução de Danos

O International Journal of Drug Policy lançou um pedido de artigos, para uma edição especial: "As Mulheres e a Redução de Danos: Conectando o Globo", com as editoras convidadas Susan Sherman, Adeeba bte Kamarulzaman e Patti Spittal.

A edição procura examinar: os fatores singulares (por exemplo, culturais, relacionais, legais ou econômicos) que contribuam com o consumo feminino de drogas psico-ativas (lícitas e ilícitas); o estigma associado ao consumo de drogas das mulheres; os efeitos próximos e distantes do consumo de drogas sobre as vidas das usuárias de drogas assim como das companheiras sexuais das usuárias de drogas; examinar os padrões de consumo e as conseqüências dos diferentes tipos de drogas (por exemplo, ATS, álcool, opiáceos); explorar os efeitos dos diferentes tipos de drogas; examinar as políticas relacionadas ao gênero a respeito dos serviços de redução de danos e do tratamento; e examinar os programas inovadores que objetivem as usuárias de drogas.

A edição visa a incluir trabalhos que representem uma série de regiões geográficas (por exemplo, a ex-União Soviética, o Oriente Médio, o Sul Asiático, o Sudeste Asiático, Europa/América do Norte). Os jornais devem ser relevantes para a redução de danos e as políticas.

Diversos tipos de contribuições estão convidados: artigos de revisão científica (máximo de 8.000 palavras); artigos originais de pesquisa (3.000-7.000 palavras); relatórios curtos de pesquisa (até 1.500 palavras); Descrições de programas (positivos ou negativos) ou políticas interessantes (2.000-5.000 palavras); Descrições de problemas (por exemplo, barreiras estruturais) em conseguir acesso aos serviços ou programas necessários (2.000-5.000 palavras); Políticas e/ou análises históricas (3.000-7.000 palavras); Comentários (máximo de 4.000 palavras); Editriais (1.500-2.000 palavras).

O prazo para os sumários ou outras descrições curtas (que não excedam 400 palavras) é o dia 23 de Setembro de 2006; devem ser enviados a ssherman@jhsph.edu. Se escolhido para envio, o prazo para finalização dos esboços de contribuições será em Dezembro de 2006. Os envios serão feitos no sistema eletrônico de entrega Elsevier e estarão sujeitos a revisão.

Semanal: Esta Semana na História

28 de Julho de 2003: James Geddes, originalmente condenado a 150 anos por porte de uma pequena quantidade de maconha e apetrechos e por cultivar cinco plantas de maconha, é solto.

29 de Julho de 1997: Um grande número de adjuntos de Los Angeles entra na casa do autor e paciente de maconha medicinal, Peter McWilliams, e do famoso ativista pró-maconha medicinal, Todd McCormick, usuário e cultivador de maconha medicinal que teve câncer dez vezes em sua infância e sofre de dores crônicas como resultado da fusão das vértebras de seu pescoço em cirurgias durante a sua infância. Por fim, McCormick cumpre uma sentença de cinco anos, enquanto que McWilliams engasgou até morrer com o seu próprio vômito em 2000 após ter o seu pedido de maconha medicinal negado por um juiz federal.

30 de Julho de 2002: A rede ABC transmite o relatório especial de John Stossels "War on Drugs, A War On Ourselves" [A Guerra Contra as Drogas, Uma Guerra Contra Nós Mesmos].

31 de Julho de 2000: No Canadá, o tribunal superior de Ontário decide unanimemente (3-0) que a lei canadense que torna o porte de maconha um crime é inconstitucional porque não leva em conta as necessidades dos pacientes canadenses de maconha medicinal. Os juízes permitem que a lei atual continue em vigor por outros 12 meses, permitem que o Parlamento a reescreva, mas diz que se o governo federal canadense não estabelecer um programa de distribuição de maconha medicinal até o dia 31 de Julho de 2001, todas as leis sobre a maconha no Canadá seriam derrubadas.

31 de Julho de 2003: Karen P. Tandy é confirmada por consentimento unânime no Senado dos EUA como Administradora da Drug Enforcement Administration. Tandy estava trabalhando no Departamento de Justiça (DOJ) como Subprocuradora-Geral e Diretora da Força-Tarefa de Repressão às Drogas e ao Crime Organizado. Ela trabalhou anteriormente no DOJ como Diretora de Litígio no Gabinete de Seqüestro de Bens e Subdiretora de Narcóticos e Drogas Perigosas, e ela processava casos de drogas, lavagem de dinheiro e apreensões como Subprocuradora da União no Distrito Oriental da Virgínia e no Distrito Ocidental de Washington.

01 de Agosto de 2000: A primeira Shadow Convention se reúne na Filadélfia, PA, com a guerra às drogas sendo um dos três temas principais da reunião.

01 de Agosto de 2004: The Observer (UK) informa: Os EUA jogaram a culpa na "falta de urgência" da Grã-Bretanha pelo fracasso dela em deter o tráfico florescente de ópio no Afeganistão, expondo o cisma entre os aliados enquanto o país treme à beira da anarquia.

02 de Agosto de 1937: O Ato de Taxação da Maconha [Marijuana Tax Act] é aprovado pelo Congresso, promulgando a proibição da maconha no nível federal pela primeira vez. O Comissário da Agência Federal de Narcóticos, Harry Anslinger, diz aos congressistas nas audiências, "A maconha é uma droga causadora de dependência que produz nos seus usuários a loucura, a criminalidade e a morte".

02 de Agosto de 1977: Em um discurso ao Congresso, Jimmy Carter lida com o dano causado pela proibição, dizendo, "As penas contra uma droga não deveriam causar mais dano a um indivíduo que o consumo da própria droga. Em nenhum lugar isto está mais claro do que nas leis contra o porte de maconha para consumo pessoal. A Comissão Nacional Sobre a Maconha... concluiu há anos atrás que a maconha deveria ser descriminalizada e eu acho que chegou a hora de implementar aquelas recomendações básicas".

03 de Agosto de 2004: Sessenta por cento dos habitantes de Detroit votam a favor da Proposição M ou "O Ato de Maconha Medicinal de Detroit" [The Detroit Medical Marijuana Act] que corrige o código penal da cidade de Detroit para que as sanções penais municipais já não se apliquem a qualquer indivíduo "que porte ou consuma maconha sob a direção... de um médico ou outro profissional certificado da saúde".

Busca na Rede

O Nightline comete um enorme equívoco com o relatório de apreensão do khat - eles realmente o comparam à metanfetamina (!) - um café com uma ou duas doses de expresso poderia ser uma comparação mais adequada - e diz que o cartel estava relacionado com o terrorismo mesmo apesar dos oficiais terem dito que estavam apenas investigando se isso podia ter acontecido.

Tony Papa desbanca o relatório contra a Reforma da Lei Rockefeller do promotor, no Newsday de Long Island

A seção eletrônica do DrugSense sobre as campanhas eleitorais dos reformadores das políticas de drogas

Novo áudio da rede radiofônica Drug Truth

Ex-Xerife Earl Barnett, o especialista em maconha Chris Conrad, Perspectiva Negra II, a Verdade Oficial do Governo

O relatório de Radley Balko sobre o abuso da equipe da SWAT para o Instituto Cato, Perspectiva Negra I, Terry Nelson da LEAP, a Estória de Policiais Corruptos, Poppygate, Drug War Facts

Conservadores Britânicos Pedem Legalização e Autorização da Produção Afegã de Ópio Enquanto Cresce Número de Baixas de Soldados

Nesta semana, usando a ocasião de uma visita ao Afeganistão do líder do Partido Conservador, David Cameron, diversos parlamentares conservadores o instaram a fazer pressão pela produção legal e autorizada de ópio nesse país destroçado pela guerra, informou The Guardian. Os pedidos ocorreram enquanto pelo menos seis soldados britânicos foram mortos neste verão lutando com um ressurgente Taliban nas províncias produtoras de papoulas do sul do Afeganistão e ecoam a posição explicada pela primeira vez no ano passado pelo Conselho Senlis, um grupo internacional de segurança e desenvolvimento.

http://stopthedrugwar.org/files/opium-smaller.jpg
os artigos do traficante de ópio (foto do editor da Crônica Phil Smith durante a visita de Setembro de 2005 ao Afeganistão)
Em conjunção com os estadunidenses, as forças da OTAM assumiram a responsabilidade pela segurança no sul afegão amigo do Taliban e agora os parlamentares conservadores estão se queixando que a insistência da coalizão na erradicação do cultivo de papoulas está pondo em perigo as vidas dos soldados britânicos. Com o ópio respondendo por quase metade da economia nacional, os agricultores e traficantes estão lutando para salvar os sustentos deles e às vezes voltando-se para o Taliban para obterem proteção.

"As papoulas são a pior coisa do problema afegão", disse o açoite conservador, Tobias Ellwood, ao Guardian. "Estamos em um estado completo de negação do poder que os cultivos têm no país como um todo e as táticas de erradicação simplesmente não estão funcionando. No ano passado, gastamos $600 milhões na erradicação e todo o resultado foi a maior exportação de ópio de todos os tempos do país".

Ao invés disso, disse Ellwood, a agricultura das papoulas deveria ser autorizada, com a colheita sendo vendida legal e abertamente. Isso ajudaria os agricultores, lidaria com a falta global de medicações opiáceas para a dor e limitaria a oferta de ópio para o mercado negro, onde, após ser transformado em heroína, grande parte disso chegas às veias dos viciados europeus. De acordo com Ellwood, o plano de autorização do ópio conta com o apoio de diversos parlamentares conservadores e de figuras militares de alta patente no Afeganistão.

Cameron, o líder conservador, tem sido aberto ao pensamento inovador nas questões das políticas de drogas. Ele pediu a heroína prescritível e até instou as Nações Unidas a considerar a legalização das drogas.

O Guardian citou um trabalhador não-identificado de uma ONG que viajou extensamente pela província de Helmand que dizia que os esforços de erradicação estavam meramente fazendo com que os camponeses se juntassem ao Taliban. "Os agricultores que estão em melhores condições pagam subornos a comandantes locais para que não tenham que erradicar, mas os outros são vítimas do corte da sua principal fonte de renda", disse o trabalhador, que não queria ser nomeado por causa do perigo de ser identificado no sul do Afeganistão. "Daí, o Taliban vai às aldeias deles e diz, 'Vamos pagar o seu filho para que trabalhe conosco e dar-lhe armas e alimentos'. Se se examinar a oportunidade dos programas de erradicação e as irrupções de violência, eles acontecem freqüentemente na mesma semana".

O trabalhar da ONG disse que os membros do Taliban tinham sido localizados caminhando pelas ruas armados em plena luz do dia na capital de Helmand, Lashkar Gar, e que os combatentes árabes haviam sido localizados a 10 milhas da capital. "Estamos jogando gás sobre as chamas da violência com esta campanha de erradicação. Ao alienarmos os habitantes locais, estamos caindo no plano político sofisticado de parte da al-Qaida e do Taliban para desestabilizar o sul do Afeganistão. A ingenuidade política da comunidade internacional ao fazer isto é alarmante", disse o trabalhador.

Khat: Federais Detêm 62 em Operação Contra a Suave Erva Estimulante do Leste Africano

O khat, um arbusto que cresce na África Oriental, tem sido usado por séculos como suave estimulante na região, com uma embriaguez similar àquela obtida tomando muito chá ou café. O khat é legal em toda a África e na maioria dos países europeus, mas as autoridades federais estadunidenses o consideram uma droga perigosa. Eles atacaram na quarta-feira, prendendo 62 imigrantes do Leste da África sob acusações de contrabandear mais de 75 toneladas da coisa para dentro dos Estados Unidos.

http://stopthedrugwar.org/files/khatinvietnam.jpg
cena familiar de uso de khat, Vietnã
Os oficiais federais disseram aos repórteres na quarta-feira que eles estão investigando os informes de que os contrabandistas de khat podem ter relações com os "chefes de guerra" na Somália e na Etiópia, mas eles não apresentaram nenhuma prova disso, nem qualquer um dos indícios alega quaisquer relações com atividades terroristas na região, onde o extremismo islâmico está em marcha. Os fundamentalistas muçulmanos relacionados com a Al-Qaida estão lutando contra os "chefes de guerra" respaldados pelo Ocidente pelo controle da Somália.

"Há suspeitas de laços existentes com algum tipo de organizações terroristas", disse um agente federal que exigia anonimato à cadeia McClatchy Newspaper. Embora os indícios não aleguem relações com o terror, eles acusam o grupo de lavagem de dinheiro através das hawalas, uma rede informal de remessas amplamente usada no Sul Asiático e no Oriente Médio. Algo do dinheiro acabou na capital financeira do Oriente Médio, Dubai, alegam os indícios.

O Subdiretor do FBI, Mark Mershon, disse a uma entrevista coletiva em Nova Iorque na quarta-feira que a agência continua procurando "o destino final do dinheiro". De acordo com Mershon, as informações sugerem que o dinheiro foi enviado a "países no Leste Africano que são um germinal de extremismo sunita e uma fonte de terroristas associados à Al-Qaida".

Hmmm... Eles também são os países dos quais aqueles presos saem e onde o khat é amplamente cultivado. Enquanto isso, o homem acusado como líder do grupo pode pegar prisão perpétua e os outros podem pegar até 20 anos de prisão por usarem e traficarem uma erva com a qual eles cresceram.

Busca e Apreensão: Tranca de Cinco Dias em Prisão do Colorado para Encontrar Drogas Engolidas Se Aproximam do Nível da Tortura

As autoridades na prisão estadual do Colorado em Buena Vista mantiveram um interno preso a uma cadeira por 5 dias e meio sem sono nem exercício, não apagaram as luzes e o despiram e o revistaram nas cavidades dele 17 vezes mesmo apesar de estar sob a vigilância constante de um guarda. Os funcionários da prisão suspeitavam que o preso Brian Willert, 29, engolira sacos de heroína e queriam coletar as provas.

http://stopthedrugwar.org/files/jail1.jpg
Finalmente, conseguiram, mas o juiz que ouviu o caso, o Juiz Distrital da Comarca de Chafee, Charles Barton, descartou as provas, dizendo que as autoridades da prisão podiam ter alcançado o mesmo objetivo em algumas horas para obter uma ordem judicial para administrar um laxante. O que os oficiais da prisão fizeram com Willert foi uma busca irrazoável, disse Barton.

"Forçar um interno preso a se sentar numa cadeira por cinco dias apresentou, na opinião da corte, um risco irrazoável à vida e à saúde do interno", disse Barton em sua decisão do dia 14 de Julho. "Para a corte, é difícil imaginar um procedimento mais intrometido. O réu foi observado o tempo todo durante cinco dias. Ele não tinha permissão para realizar a necessidade humana básica de deitar e dormir".

Barton também questionou o que as várias buscas tinham a ver com a segurança e criticaram os funcionários da prisão por não examinarem a saúde de Willert depois de ter tirado positivo para metanfetamina no quarto dia, sugerindo que uma bolsa havia se rompido. Mas Barton rechaçou o argumento do Defensor Público Patrick Murphy de que o que foi feito com Willert constituía punição cruel e atípica.

Willert foi posto numa "cela seca" sem pia nem banho depois que a namorada dele disse às autoridades da prisão que ela havia passado bexigas do que ela achava ser heroína durante uma visita. Esse é um procedimento padrão para o Departamento de Correção do Colorado, disse o diretor das prisões, Gary Golder, ao Rocky Mountain News. Mas as estadas na "cela seca" duram pouco mais de um dia, disse. Porém, disse Golden, o inspetor-geral do departamento vai investigar. "O pessoal infringiu as políticas ou fez algo inadequado?", perguntou.

Maconha Medicinal: Em Contenda Democrata ao Governo de Nova Iorque, Spitzer Diz que Sim, Suozzi Diz que Não

Concorrendo numa contenda difícil para a indicação do Partido Democrata ao governo contra o Procurador-Geral do estado, Eliot Spitzer, o Executivo da Comarca de Nassau, Thomas Suozzi, esperava usar um debate televisionado para aumentar a sua visibilidade e abrir algum espaço entre ele e Spitzer nas questões. Ele conseguiu fazer isso numa série de assuntos, inclusive a maconha medicinal.

Quando inquirido pelo moderador do debate, Dominick Carter, se a maconha medicinal deveria ser legalizada no Empire State, Spitzer respondeu que "não", o que gerou as vaias do público, enquanto que Suozzi respondeu "sim".

A pergunta seguinte era se os candidatos já haviam usado maconha. Ambos disseram que "sim", mas a afirmativa de Spitzer foi seguida por risadas e aplausos do público. Nenhum candidato explicou as suas respostas monossilábicas.

Embora Spitzer se oponha à maconha medicinal, ele tem sido um defensor incondicional da reforma da lei Rockefeller sobre as drogas. Nenhum candidato, contudo, fez menção da reforma da lei Rockefeller como questão importante em suas páginas de campanha.

(O áudio do debate pode ser acessado pela página do WNYC - o trecho sobre a maconha acontece aos 57:48 do arquivo.)

Maconha Medicinal: Descrição Eleitoral de Dakota do Sul É Errônea e Aparentemente Ilegal

Os organizadores da iniciativa pró-maconha de Dakota do Sul estão se metendo numa briga dura no estado socialmente conservador do Alto Meio-Oeste. Tudo o que eles pedem é que seja uma briga justa, mas o Procurador-Geral de Dakota do Sul, Larry Long (R), aparentemente não está pronto para dar-lhes um campo igual de jogo. Nesta semana, o gabinete de Long emitiu o sumário da iniciativa que aparecerá nas urnas e esse sumário contém declarações enviesadas e factualmente incorretas - uma aparente infração da lei de Dakota do Sul.

O texto do sumário fornecido pelo Procurador-Geral Long que aparece na página eleitoral da Secretaria do Estado de Dakota do Sul é o seguinte:

"Atualmente, o porte, consumo, distribuição ou cultivo de maconha é crime tanto de acordo com a lei estadual quanto federal. A lei proposta legalizaria o consumo ou porte de maconha para qualquer adulto ou criança que tiver uma das diversas doenças listadas e que esteja registrado no Departamento de Saúde. A lei proposta também daria uma defesa às pessoas que cultivam, transportam ou distribuem maconha somente para pessoas registradas. Mesmo se esta iniciativa for aprovada, o porte, consumo ou distribuição de maconha ainda é crime federal. As pessoas contempladas pela lei proposta ainda estariam sujeitas a processo federal por infração das leis federais de controle das drogas. Os médicos que prescreverem certificações escritas podem estar sujeitos a perder suas licenças federais para dispensar drogas prescritíveis".

Embora os defensores da iniciativa apontem diversos empregos de descrição enviesada ou irrelevante - referindo-se a "qualquer adulto ou criança" em vez de "qualquer um" numa tentativa de levantar o espectro do consumo de drogas entre adolescentes, referindo-se várias vezes às leis federais contra o porte de maconha - é a sentença final do sumário de Long que realmente salta à vista.

Long escreve que os médicos "podem estar sujeitos a perder suas licenças federais para dispensar drogas prescritíveis se prescreverem recomendações para consumo de maconha medicinal", e isso é um erro.O único precedente de tribunal federal em tais questões, Conant vs. Ashcroft, declara claramente que os médicos não podem ser punidos pela DEA por exercerem o seu direito da Primeira Emenda para recomendar que um paciente use maconha. Em Conant, a Suprema Corte recusou ouvir o recurso do Departamento de Justiça desse parecer do Tribunal de Apelações do 9° Circuito.

De acordo com o código penal de Dakota do Sul, "A publicação de informação falsa ou errônea sobre emendas ou questões constitucionais é uma contravenção. Qualquer pessoa que imprima, publique ou entregue sabidamente a qualquer eleitor deste estado um documento que contenha qualquer emenda, questão, lei ou medida constitucional que vá ser colocada perante os eleitores em qualquer eleição, no qual qualquer emenda, questão, lei ou medida constitucional esteja escrita ou impressa erroneamente, ou pelo qual informação falsa ou equívoco seja dado aos eleitores, é culpado de contravenção de Classe 2".

Os defensores da iniciativa disseram à DRCNet nesta semana que estão examinando as suas opções. Espere mais notícias sobre esta frente na semana que vem.

Condenação: Juízes Federais Têm Mais Chances de Absolver do que os Júris

Os juízes federais têm muito mais chances de absolver os réus do que os júris, de acordo com uma revisão de uns 77.000 julgamentos criminais federais entre 1989 e 2002. Os júris condenaram 84% dos réus, enquanto que os juízes nos julgamentos condenaram apenas a metade. O fenômeno é recente, com juízes e júris condenando quase igualmente desde os anos 1960 até os anos 1980, e antes disso, os juízes tinham muito mais chances de condenar que os júris.

http://stopthedrugwar.org/files/gavel.jpg
As descobertas foram feitas num jornal publicado pelo professor da Faculdade de Direito da Universidade do Illinois, Andrew Leipod, "Why Are Judges So Acquittal-Prone?" [Por que os Juízes Têm Tanta Tendência a Absolver?], publicado no Washington University Law Quarterly e discutido até certo ponto no blog Volokh Conspiracy. De acordo com Leipod, ele estava confuso com a mudança e procurava uma resposta.

"O problema principal", escreveu, "é descobrir algo sobre os julgamentos criminais que tenha mudado desde o fim dos anos 1980, algo que afetaria os juízes, mas não os júris". As provas sugerem um provável culpado, debateu Leipod. "Eu acho que as normas de condenação entram melhor nesta descrição. As normas tiraram uma grande quantidade de discrição na condenação, o que significava que os juízes se deparavam muito freqüentemente com casos em que eles sabiam que uma condenação resultaria numa sentença severa - talvez severa demais. Nós não queremos dizer que os juízes estivessem agindo 'ilegalmente' para chegarem à conclusão ordinária de que os juízes podem colocar o governo ainda mais estritamente à prova quando os riscos são altos e imperdoáveis".

Porque os juízes não preenchem formulários mostrando quais fatores eles ponderam quando decidem, quaisquer provas de uma relação entre os índices de condenação e as normas de condenação são necessariamente indiretas, mas, observa Leipod, provavelmente não é uma coincidência que "as Normas tenham ganho velocidade justo quando o índice judicial de condenação começou a decair". Muitos juízes "foram duros críticos de como as normas dificultavam que eles fizessem justiça em casos individuais", observou.

Nota do Editor: Poder-se-ia supor que as penas mínimas obrigatórias também estivessem tendo este efeito sobre os juízes federais - um sistema federal de condenação igualmente, talvez mais severo é paralelo a, e se entretece com, as normas. O Congresso promulgou as mínimas obrigatórias com muita pressa, dois anos depois de criar as normas de condenação, depois da morte por overdose do astro do basquetebol da Universidade de Maryland, Len Bias, em 1986.

Imposição da Lei: As Estórias de Policiais Corruptos Desta Semana

Ocupado, ocupado. Há policiais sendo presos, policiais se confessando culpados, policiais indo à prisão. E, claro, o sempre presente agente penitenciário traficante de drogas. Vamos ao que interessa:

Em Miami, três oficiais da polícia de Boston foram presos na quinta-feira passada após aceitar $35.000 para proteger uma carga de cocaína numa armação do FBI. O líder Robert Pulido, 41, e os colegas oficiais Carlos Pizarro, 36, e Nelson Carrasquillo, 35, viajaram a Miami para celebrar a sua transação de proteção de drogas e tramar mais negócios com agentes disfarçados que eles achavam que eram traficantes de cocaína, informou a Associated Press. Pulido estava supostamente metido numa variedade de atividades criminosas, com seus companheiros mais novos juntado-se a ele às vezes. Aquelas infrações incluem proteção de carga de drogas, roubo de identidade, patrocinar festas ilegais com prostitutas, lavagem de dinheiro e fraude, de acordo com os procuradores. Eles estão na cadeia aguardando uma audiência no dia 02 de Agosto.

Em Deming, Novo México, um Xerife-Adjunto da Comarca de Luna foi preso na terça-feira sob acusações de porte de metanfetamina após ter tirado a droga de um homem durante uma batida de trânsito, mas nunca tê-la apresentado como prova , informou o Luna County Sun-News. O Adjunto Tommy Salas, 33, se entregou na terça-feira à tarde e foi solto sob fiança de $7.500 por uma acusação de porte de metanfetamina. Salas estivera em licença administrativa desde o dia 09 de Junho, quando o gabinete do xerife e os promotores municipais abriram uma investigação das "discrepâncias" no caso de tráfico. Outro oficial na cena vira Salas aceitar drogas de um condutor e o ouviu prometer que ia entregá-las, mas isso nunca aconteceu.

Em Lebanon, Ohio, um agente penitenciário da Comarca de Warren foi preso na segunda-feira por aceitar drogas e dinheiro para que fossem contrabandeadas para um preso, informou a Fox19-TV de Cincinnati. O Agente Correcional Michael Miller, 37, caiu após aceitar maconha e $600 de um agente disfarçado, encerrando o que a polícia disse que era uma investigação de três meses. Miller é acusado de duas acusações de transporte de drogas e está em regime de "encarceramento obrigatório" por ser um oficial correcional.

Em Laredo, Texas, um ex-subcomandante da força-tarefa antidrogas se confessou culpado na sexta-feira passada de acusações de extorsão por aceitar dezenas de milhares de dólares de traficantes de drogas para proteger as operações deles. De acordo com a Associated Press, Julio Alfonso López, 45, aceitou pelo menos $44.500 do intermediário dele com os traficantes, Meliton Valádez, que já fora condenado pelo seu papel no esquema. O par também foi acusado de proporcionar informação sensível da polícia aos traficantes e fornecer lugares de armazenamento para as cargas de cocaína. López se confessou culpado de uma acusação de conspiração.

Em São Luis, um ex-oficial da polícia de São Luis foi sentenciado a nove anos de prisão pelo seu papel numa conspiração de drogas, informou a Associated Press. O ex-oficial Antoine Gordon foi condenado num julgamento de Abril de checar as bases de dados da polícia para ver se as pessoas que compravam heroína do líder do cartel de drogas estavam trabalhando como informantes para a polícia. Gordon foi uma das 19 pessoas que se confessaram culpadas de acusações relacionadas às drogas ou armas no caso.

Matéria: Apreensão da Holy Smoke Mobiliza Comunidade Cannábica do Interior da Colúmbia Britânica

Apesar dos donos da Holy Smoke, a loja de artigos para consumo de drogas e centro cultural de Nelson, Colúmbia Britânica, não dissessem isso desta forma, o reide contra a loja deles há duas semanas amanhã está acendendo uma guerra santa na região provincial amiga da cannabis chamada Kootenay. Quando a polícia da cidade de Nelson pôs fim a uma trégua de facto ao prender o co-proprietário da Holy Smoke, Paul DeFelice, por supostas vendas de maconha na loja, a Holy Smoke e seus defensores começaram a se mobilizar para resistir, e apenas começaram.

http://stopthedrugwar.org/files/nelson2.jpg
Nelson, Colúmbia Britânica: Problemas em Meio à Beleza, Graças aos Guerreiros Antidrogas
Justo ao norte da fronteira EUA-Canadá acima de Spokane, Washington, Nelson, uma cidade de 10.000 habitantes localizada ao longo das margens do braço direito do Lago Kootenay, é um verdadeiro reduto maconheiro. Embora os dados oficiais sejam naturalmente impossíveis de conseguir, o cultivo de maconha é uma indústria local importante, tanto em Nelson quando no vizinho Vale Slocan. Os jovens da área a levam pela fronteira montanhosa e florestal a pé e de bicicleta, em esquis e carros de neve, enquanto que as maiores operações podem empregar helicópteros e aparelhos sofisticados de rastreamento. Os mercadores da área disseram à DRCNet que eles sabem quando as plantas estão chegando porque é quando as suas vendas aumentam.

A Holy Smoke é o símbolo mais visível da cultura cannábica da região, mas há muitas mais se se der uma olhada, desde a loja de maconha na Rua Baker do centro, passando pelos jovens cidadãos com dreadlocks da cidade, até as quatro lojas de equipamento para cultivo de maconha -- a pequena cidade tem o dobro do número de toda a área metropolitana de Washington-Baltimore -- sem mencionar o odor de fumaça de sativa e indica que passa pelo ar não com pouca freqüência.

A loja, de propriedade conjunta de DeFelice, Alan Middlemiss e do advogado Dustin Cantwell, tem sido um centro da cultura cannábica da região desde que abriu em 1996. Um ano depois, a polícia de Nelson a sitiou, mas foram ridicularizados na corte por um juiz que lhes exigiu que aprendessem a como realizar buscas adequadamente, e, desde então, eles deixaram o lugar em paz. Mesmo enquanto os rumores de que a maconha estava sendo vendida na loja se espalhavam dentro da comunidade, a polícia não agia. Na verdade, a polícia de Nelson disse à DRCNet extra-oficialmente no início deste ano que eles achavam que vender a maconha na loja diminuíra o número de traficantes de rua. Se isso for verdade, tudo isso mudou agora.

A DRCNet tentou conversar com a polícia de Nelson nesta semana, em vão. O oficial encarregado do reide, o Sargento Steve Bank, advertiu curiosamente que mais detenções iam acontecer, daí entrou de férias, e mais ninguém no departamento quis falar sobre o reide.

Com DeFelice enfrentando uma possível pena de prisão por supostas vendas de maconha - algo que a Holy Smoke é cuidadosa nem em confirmar nem em negar dada a situação legal terrível - e a polícia ameaçando fazer mais detenções no futuro próximo, a loja e seus defensores estão marchando em torno da causa. "Estamos nos preparando para levar uma medida de 'menor prioridade legal' à câmara dos vereadores", disse Middlemiss, "e vamos ganhar as ruas".

Ao mesmo tempo em que seis oficiais da polícia de Nelson estavam sitiando a Holy Smoke e prendendo DeFelice, uma garota de 15 anos foi dosada com Rohypnol e estuprada, disse Middlemiss. "Se a polícia tivesse prioridades corretas, isso poderia nem ter acontecido".

A Holy Smoke e seus defensores recorrerão às antigas tradições de protesto não-violento e ativismo contracultural da área de Nelson, disse. "Nelson tem uma longa e gloriosa história de ação não-violento, desde a First Nations e os Doukhobors [uma seita russa que emigrou para a região há um século] até os objetores de consciência, até os japoneses que foram internados nos campos perto daqui na Segunda Guerra Mundial se organizaram e protestaram. Temos uma natureza rebelde aqui, mas fomos seduzidos até a complacência", disse à DRCNet.

A nação cannábica da região de Kootenay realizará uma marcha e protesto massivos em Nelson no dia 05 de Agosto. "Eu acho que há enorme apoio ao consumo responsável da maconha por aqui, ao reordenamento das prioridades policiais, a tornar o consumo adulto de maconha a menor prioridade", disse Middlemiss. "Mas precisamos nos consolidar, precisamos de uma marcha grande de verdade e esperamos que as pessoas dêem literalmente a cara a tapa por isso. Será uma manifestação pró-maconha massiva, não um smoke-in, e esperamos um grande apoio", disse.

"Veja bem, a nossa comunidade se cansou dos helicópteros estadunidenses voando por aqui em busca de uma erva benigna, nos cansamos das operações ilegais da DEA em nosso país, nos cansamos de desperdiçar os nossos dólares dos impostos em infrações não-violentas da legislação antidrogas", prosseguiu Middlemiss. "Queremos chegar ao fundo dos nossos problemas com as drogas, mas a polícia é a pior forma de fazer isso".

O respaldo da Holy Smoke e da legalização da maconha não está limitado ao grupo de cabeludos. "Os nossos defensores incluem motoristas, zeladores, mães, advogados, dentistas. A câmara de comércio e os negócios locais nos apoiarão na câmara dos vereadores", disse Middlemiss. "Que diabos, a câmara até nos pediu que fizéssemos propaganda porque eles recebem muita gente que vem à cidade nos procurando e perguntando-lhes como nos encontrar".

Com ataques similares contra outro café cannábico, o Up in Smoke de Hamilton, e um novo governo nacional conservador murmurando profeticamente sobre endurecer as leis sobre a maconha, as pessoas da Holy Smoke sentem que podem ser peões num jogo maior e mais sinistro. "Os conservadores querem sufocar a cultura alternativa, mas aqui em Nelson, é parte do fundamento da cidade e todo negócio no município depende da economia cannábica. Nos perguntamos se as ordens estão vindo de Washington", disse Middlemiss.

"Eu acho que isto é parte de algum tipo de operação conjunta da DEA com o ministério canadense da justiça", disse o co-proprietário da Holy Smoke, Dustin Cantwell. "As ordens para isto devem ter vindo de cima. Os conservadores que chegaram ao poder com o Primeiro Ministro Harper e sua gangue estão adotando a pauta estadunidense e estão se metendo com gente como nós que dão a cara a tapa. Mas somos a ponta do iceberg. Debaixo da linha da água está a nossa base massiva".

A Holy Smoke ainda está aberta e continua fumando, tanto internamente no fumódromo dela quanto no exterior no terreno público vizinho transformado em miniparque pelos consumidores locais de cannabis que desfrutam da vida do lago na Montanha do Elefante enquanto fumam. E continua sendo o quartel-general tanto para a comunidade cannábica quanto para os protestos vindouros. Entre em contato com eles através do sítio se quiser ajudar.

Matéria: Grupo Bipartidário de Senadores Estadunidenses Apresenta Projeto para Reduzir Disparidades de Penas para a Cocaína

Quatro senadores estadunidenses - dois democratas e dois republicanos - apresentaram legislação na terça-feira que reduziria a disparidade nas penas para aqueles pegos com pó de cocaína e aqueles pegos com crack. Atualmente, são necessárias 100 vezes a quantidade de pó de cocaína para merecer a mesma sentença que um infrator por crack. Segundo o projeto, o Ato de Reforma das Penas para as Drogas de 2006 [Drug Sentencing Reform Act of 2006 (S. 3725)], essa disparidade seria reduzida de 20 para 1.

As leis severas contra o crack foram aprovadas às pressas no verão de 1986, como parte da promulgação das sentenças mínimas obrigatórias federais, depois que a morte do jogador de basquetebol, Len Bias, levou o então Presidente da Câmara, Tip O'Neill, a agir. Ironicamente, Bias morreu após usar pó de cocaína.

As prisões federais estão cheias de pessoas, a vasta maioria delas negra, cumprindo longas sentenças mínimas obrigatórias por condenações federais por crack. Em 2000, por exemplo, 84% daqueles sentenciados de acordo com as leis federais contra o crack eram negros, 9% hispânicos e 5% brancos. Com o pó de cocaína, 30% dos infratores eram negros, 50% hispânicos e 15% brancos. Mais uma vez ironicamente, o pó de cocaína parece ser atualmente muito mais popular entre os jovens que o crack.

Embora sejam necessários 500 gramas - mais que uma libra ou 454g - de pó de cocaína para merecer uma sentença mínima obrigatória de cinco anos, são necessários apenas cinco gramas de crack para receber o mesmo. Segundo o projeto, os senadores diminuiriam ligeiramente a quantidade para pó de cocaína e aumentariam a quantidade para o crack. Os senadores propõem 400 gramas de pó para precipitar a mínima obrigatória e 20 gramas de crack.

Os quatro senadores que apresentaram o projeto são Jeff Sessions (R-AL), Mark Pryor (D-AR), John Cornyn (R-TX) e Ken Salazar (D-CO). Todos são ex-procuradores-gerais e eles citaram essa experiência no debate em prol da reforma. O Sen. Cornyn disse aos repórteres numa entrevista coletiva na terça-feira que a sua experiência como procurador-geral do Texas o levou a acreditar que "as leis devem ser firmes, porém justas. Não só precisamos de leis justas, mas da aparência e realidade de justiça".

"Este projeto traria melhorias medidas e equilibradas no sistema atual de condenação para garantir um resultado mais justo - sentenças mais severas para os piores e mais violentos infratores da legislação antidrogas e sentenças menos severas para os pequenos infratores não-violentos", disse o Sen. Sessions numa declaração. "A disparidade de 100 para 1 nas penas entre pó e pedra de cocaína não é justificável. A nossa experiência com as orientações me convenceu de que estas mudanças tornarão o sistema de justiça criminal mais eficaz e justo. Chegou a hora de agirmos".

"A cocaína apresenta uma ameaça considerável porque está prontamente disponível, é altamente causadora de dependência e está diretamente associado ao crime violento tanto nas comunidades rurais quanto nas urbanas", disse o Sen. Pryor. "Precisamos mandar um forte recado àqueles que compram e vendem esta droga e isso inclui consertar as disparidades que existem em nossas normas de condenação e manter os infratores mais perigosos fora das ruas".

O projeto também diminuiria as penas para as pessoas perifericamente envolvidas nas infrações federais da legislação antidrogas e aumentaria as penas para os traficantes que se engendraram em atos violentos ou usaram crianças como parte de suas transações em drogas.

"A disparidade de 100 para 1 nas penas entre o pó e a pedra de cocaína já não pode ser justificada", disse o Sen. Salazar. "Este projeto começaria o processo de garantir que o castigo para o crack e a cocaína seja severo, porém justo. Como ex-procurador-geral, sou sensível ao equilíbrio que deve ser atingido para garantir que a pena seja proporcional ao crime. O Ato de Reforma das Penas para as Drogas é um passo importante para alcançarmos este equilíbrio e espero que o resto do Senado apóie este projeto de bom senso".

Para o Sen. Cornyn, havia a preocupação de que as leis não acompanhassem as tendências atuais no consumo de drogas. "Apesar de termos dado grandes passadas na guerra contra as drogas nos últimos anos, o Congresso deve continuar vigilante no trato deste problema onde e quando for solicitado", disse. "Hoje, mais estudantes do segundo grau consumem pó do que crack. Em 2005, o índice de consumo de pó de cocaína entre os estudantes do último ano do segundo grau era quase três vezes mais alto que o índice de consumo de crack. É importante que as nossas leis reflitam aquelas estatísticas preocupantes que é o que esta legislação procura fazer".

Os defensores da reformas das penas estão adotando um ponto de vista mensurado em relação à legislação. Por exemplo, um boletim do grupo Families Against Mandatory Minimums (FAMM) chamou o projeto de "meio-acerto".

O que os senadores estão propondo é apenas um primeiro passinho rumo à justiça, disse Nora Callahan, diretora executiva da November Coalition, um grupo de reforma das políticas de drogas que se concentra em conseguir a liberdade para os prisioneiros da guerra às drogas. "Se uma luta pelo projeto for tramada, gostaria de combatê-lo e conseguir disposições de retroatividade", disse ela à DRCNet. "Seria a primeira vez. Precisamos uma inovação neste respeito, quando as leis são mudadas, as pessoas que já foram condenadas não conseguem alívio nenhum. Isso está errado".

Não deveria haver distinção nas penas para pedra e pó de cocaína, disse Callahan. "Disparidade nenhuma seria justiça, mas tristemente, não é o 'jeito estadunidense de ser'. Nós restauramos a justiça gradualmente neste país. As pessoas que lutam pelas noções de justiça na lei e nas penas têm que tomar decisões táticas. Estamos esperando a contribuição daqueles presos por estas leis e eles vão perguntar o que há no projeto para eles. Eles vão dar alívio nas penas àqueles condenados na proporção de 100 para 1?"

Os reformadores das penas e das políticas de drogas e as organizações dos direitos civis têm pedido há muito por mais eqüidade nas penas para a cocaína, mas as tentativas anteriores de reparar as disparidades não foram a lugar algum. Com o apoio bipartidário de alguns senadores "duros com a criminalidade" desta vez, a pressão pode começar a se acumular e isso pode resultar em mudanças positivas reais.

Matéria: Crise de Maconha Medicinal em São Diego Enquanto Federais e Funcionários Municipais Fecham os Dispensários Restantes

Já esbofeteada por uma série de reides em Dezembro e novos reides e detenções de operadores de dispensários no início deste mês, a comunidade de maconha medicinal da área de São Diego está cambaleando sob um novo ataque que está forçando os dispensários restantes a fecharem as suas portas. Na sexta-feira passada, os agentes da DEA fizeram uma vista aos dispensários que ainda não haviam fechado e lhes advertiu que eles podiam ser presos se permanecessem abertos. Fecharam. Os federais também confiscaram o máximo de medicamentos que puderam recolher com as suas mãos nos dispensários que visitaram.

http://stopthedrugwar.org/files/mcwilliams2-reduced.jpg
protesto de Julho de 2005 em Washington após o suicídio de Steve McWilliams, fornecedor de maconha medicinal de São Diego que enfrentava processo federal
A DEA e os funcionários municipais afirmam que os dispensários estavam agindo como pontos de venda de maconha no varejo e que muitos "pacientes" não estavam doentes de verdade. Mas, os defensores da maconha medicinal dizem que os dispensários são permitidos segundo a lei estadual e estão servindo às pessoas doentes e convalescentes. A batalha provavelmente não será resolvida logo e as pessoas em ambos os lados da questão estão procurando os tribunais ou a assembléia para esclarecer os problemas.

Mas, em São Diego, os pacientes e seus defensores também vão atrás do establishment político local. Dúzias de manifestantes se reuniram na terça-feira diante do paço municipal da cidade de São Diego para protestar contra os fechamentos antes de entrarem nos aposentos para instar a câmara dos vereadores a agir para proteger os pacientes. Até agora, não funcionou.

"Precisamos parar de sitiar e começar a regular", disse Wendy Christakes, paciente de maconha medicinal e coordenadora de São Diego do Americans for Safe Access, o grupo de defesa da maconha medicinal. "Os funcionários municipais têm a obrigação moral e legal de desenvolver um sistema seguro para a distribuição de maconha medicinal aos pacientes elegíveis. Não fazer isso nos tem colocado em risco de assédio e coisas piores de parte da DEA".

"Enfrentamos uma situação muito séria em São Diego agora", disse o porta-voz do ASA, William Dolphin. "A DEA não só sitiou muitos dispensários, também fez visitas àqueles que não haviam fechado anteriormente e lhes advertiu que podiam ser presos se não fechassem. Isto está criando um sério problema de acesso para os pacientes na área de São Diego".

Está bem claro que o promotor e o aparato judiciário-legal municipal concordam com a DEA em ir atrás do que eles descreveram como abusos da lei de maconha medicinal ali", disse o diretor da NORML Califórnia, Dale Gleringer. "A DEA funciona em lugares em que as autoridades municipais estão dispostas a cooperar e a Comarca de São Diego esteve na frente da oposição à lei de maconha medicinal. O delegado municipal e o promotor da comarca são simpáticos à maconha medicinal, mas nenhum deles tem simpatia pela cena de clubes maconheiros que surgiu em São Diego".

"As autoridades de São Diego estão assumindo a posição de que os dispensários não devem existir", disse o diretor de comunicação do Marijuana Policy Project, Bruce Mirken. "Embora haja questionavelmente alguma ambigüidade na lei, muitas comunidades têm decidido permitir e regular os dispensários e isso é claramente o que faz mais sentido para os pacientes. Nós achamos que as autoridades municipais devem dar aos pacientes acesso seguro aos medicamentos deles através de uma série de normas com as quais as comunidades possam conviver e usar seus recursos policiais para algo que não o assédio dos doentes", disse ele à DRCNet.

"Isto é frustrante e assustador", prosseguiu Mirken. "Parece que os funcionários municipais na comarca de São Diego se juntaram à DEA para declarar guerra contra os dispensários e eles sentem como se fosse a função deles decidir quais receitas médicas estão certas e quais não estão".

"Esta é uma ação inaceitável de parte dos funcionários estaduais e municipais, dada a vontade explícita dos eleitores e da assembléia", disse Dolphin do ASA. "Estamos buscando ação legal para forçá-los a obedecer à lei estadual. Junto com a Drug Policy Alliance e a ACLU, somos uma parte na ação judicial aberta contra a comarca para forçar os funcionários municipais a implementar a lei estadual".

"Nós sustentamos que as cooperativas sem fins lucrativos e dispensários coletivos são legais de acordo com a lei estadual da Califórnia", disse Dolphin. "Há uma falta de direção explícita do estado quanto a como estes devem ser regulamentados. A assembléia decidiu jogar o peso sobre os funcionários municipais, como o zoneamento e outras normas, e as comunidades locais têm o direito e a responsabilidade de lidar com estas coisas. Mas em razão da volatilidade da questão e da resistência ao redor do estado, a assembléia pode ter que agir novamente com direções mais explícitas. A questão fundamental é, como garantimos que os pacientes tenham acesso legal aos medicamentos deles?"

"A lei não permite dispensários", disse o Subpromotor da Comarca de São Diego, Damon Mosler. "A lei permite que as pessoas cultivem maconha medicinal ou a comprem através do mercado negro, que é mais barato do que o que os dispensários estão vendendo de qualquer forma", disse ele à DRCNet. "Tivemos umas 20 e tantas lojas abertas em menos de um ano vendendo maconha abertamente. Temos grupos de cidadãos tirando fotos de muitos jovens entrando e saindo dos dispensários".

Mosler e a promotoria da comarca não têm nenhum problema com a maconha medicinal, disse, apenas com as pessoas que abusam da lei. "Quando a lei foi aprovada, as pessoas pensavam que apenas os doentes e convalescentes conseguiriam a maconha, e os médicos decidiriam, mas temos uns médicos bem inescrupulosos que ganham muito dinheiro vendendo recomendações. Um médico depôs que ele ganhou meio-milhão de dólares em recomendações. Eles não estão prescrevendo receitas, então a DEA não pode fazer nada", reclamou.

"Há mecanismos de acordo com a lei como está escrita", disse Mosler. "Você pode ter coletivos ou cooperativas em que pequenos grupos de pacientes ou fornecedores se reúnam. Se houver pacientes legítimos que não podem cultivá-la as cidades podem coordenar os coletivos". Apesar de Mosler ter declarado plenamente que os dispensários são ilegais, ele admitiu que a lei não está resolvida. "Oakland está cobrando impostos dos dispensários, mas as outras cidades estão fazendo o mesmo que nós. Eventualmente, os tribunais terão que decidir se os dispensários são legais ou não".

A outra opção para esclarecer a lei é a assembléia estadual. "A assembléia pode agir para esclarecer a lei", disse Mosler. "Pode ser necessário alvoroçar as pessoas como agora para que isso aconteça".

Gleringer da NORML Califórnia discordou. "Não haverá nenhuma lei estadual nova até que a lei federal seja mudada", previu. "A única solução de longa data é tornar a maconha uma droga vendida sem prescrição médica. A NORML está fazendo pressão geralmente em favor da distribuição regulada local, cafés opcionais locais, dispensários e lojas de cannabis. Simplesmente não vale a pena tentar saber qual é medicinal e qual não é".

"É possível lidar com isto no nível estadual", disse Mirken do MPP, fazendo caretas para a perspectiva. "Nós tentamos lidar com isto antes com o SB 420 e isso foi assunto de muita discussão e produziu resultados confusos. Só para aprovar isso foi como tirar o dente do siso e não imagino que a assembléia realmente queira entrar nisto novamente".

Seria melhor se as comunidades locais pudessem redigir regras razoáveis, disse Mirken. "Não é irrazoável que as diferentes comunidades redijam padrões diferentes, mas os governos locais precisam abordar isto com algum nível de senso comum e decência. Se isso não acontecer, teremos que descobrir o que fazer a seguir".

A lei de maconha medicinal da Califórnia evoluiu para uma verdadeira bagunça. Algo vai ter que acontecer para encontrar uma solução para tudo isto. Enquanto isso, os donos de dispensários devem ficar espertos.

Miken do MPP tinha alguns conselhos para eles. "Sejam muito cuidadosos e entendam que podem virar um alvo federal", advertiu. Os donos deveriam trabalhar com os funcionários municipais para demonstrar apoio comunitário, sugeriu ele. "A coisa mais importante é que os funcionários municipais nas comunidades apóiem a maconha medicinal para deixar claro que este tipo de ação da DEA não é bem-vindo nos seus municípios. Os funcionários municipais precisam começar a mandar essa mensagem em alto e bom som. Eu não acho que a DEA seja burra o suficiente para fazer operações em grande escala em lugares como São Francisco ou West Hollywood, mas São Diego estendeu o tapete vermelho".

Drug War Issues

Criminal JusticeAsset Forfeiture, Collateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Court Rulings, Drug Courts, Due Process, Felony Disenfranchisement, Incarceration, Policing (2011 Drug War Killings, 2012 Drug War Killings, 2013 Drug War Killings, 2014 Drug War Killings, 2015 Drug War Killings, 2016 Drug War Killings, 2017 Drug War Killings, Arrests, Eradication, Informants, Interdiction, Lowest Priority Policies, Police Corruption, Police Raids, Profiling, Search and Seizure, SWAT/Paramilitarization, Task Forces, Undercover Work), Probation or Parole, Prosecution, Reentry/Rehabilitation, Sentencing (Alternatives to Incarceration, Clemency and Pardon, Crack/Powder Cocaine Disparity, Death Penalty, Decriminalization, Defelonization, Drug Free Zones, Mandatory Minimums, Rockefeller Drug Laws, Sentencing Guidelines)CultureArt, Celebrities, Counter-Culture, Music, Poetry/Literature, Television, TheaterDrug UseParaphernalia, ViolenceIntersecting IssuesCollateral Sanctions (College Aid, Drug Taxes, Housing, Welfare), Violence, Border, Budgets/Taxes/Economics, Business, Civil Rights, Driving, Economics, Education (College Aid), Employment, Environment, Families, Free Speech, Gun Policy, Human Rights, Immigration, Militarization, Money Laundering, Pregnancy, Privacy (Search and Seizure, Drug Testing), Race, Religion, Science, Sports, Women's IssuesMarijuana PolicyGateway Theory, Hemp, Marijuana -- Personal Use, Marijuana Industry, Medical MarijuanaMedicineMedical Marijuana, Science of Drugs, Under-treatment of PainPublic HealthAddiction, Addiction Treatment (Science of Drugs), Drug Education, Drug Prevention, Drug-Related AIDS/HIV or Hepatitis C, Harm Reduction (Methadone & Other Opiate Maintenance, Needle Exchange, Overdose Prevention, Pill Testing, Safe Injection Sites)Source and Transit CountriesAndean Drug War, Coca, Hashish, Mexican Drug War, Opium ProductionSpecific DrugsAlcohol, Ayahuasca, Cocaine (Crack Cocaine), Ecstasy, Heroin, Ibogaine, ketamine, Khat, Kratom, Marijuana (Gateway Theory, Marijuana -- Personal Use, Medical Marijuana, Hashish), Methamphetamine, New Synthetic Drugs (Synthetic Cannabinoids, Synthetic Stimulants), Nicotine, Prescription Opiates (Fentanyl, Oxycontin), Psychedelics (LSD, Mescaline, Peyote, Salvia Divinorum)YouthGrade School, Post-Secondary School, Raves, Secondary School